Festa Nacional da Música - DE 18 A 23 DE OUT

Notícias da Festa

Leo Chaves canta com Sérgio Reis na noite de homenagens. (Rosa Marcondes/Especial) Leo Chaves canta com Sérgio Reis na noite de homenagens. (Rosa Marcondes/Especial) Clique aqui para baixar a imagem em alta resolução

Leo e Deus no Sertão

Com a pausa da dupla Victor & Leo, o irmão mais novo divide-se entre as funções de ator, escritor e palestrante, sem interromper a carreira de cantor. Pelo contrário. A agenda intensa e a premiação recebida na Festa da Música provam que Leo Chaves não está só

Leo Chaves não está só. Ele suspendeu, temporariamente, as atividades da dupla com o irmão Victor. Mas não pode ser considerado um artista solo. Com palestras agendadas no país inteiro, sucesso de vendas com o livro “No Colo dos Anjos” e em fase final de produção do musical no qual representará Sérgio Reis, o artista segue sua trajetória de sucesso, evidenciada na premiação recebida na Festa Nacional da Música.

O cantor reconhece que conciliar tantas tarefas e executá-las com excelência é um desafio. Porém, entende que esta é uma maneira de colocar em prática aprendizados que adquiriu ao longo de 26 anos de carreira. Para ele, tornar-se palestrante foi o jeito encontrado para compartilhar conhecimentos e manter-se estudando constantemente. “Estudar é nutrir a mente, a criatividade e a alma”, define Leo.

As coisas simples da vida

O irônico é que, na televisão, Leo Chaves era convincente das duas maneiras. No “The Voice Brasil Kids”, ele avaliava e orientava crianças no domínio do palco. No programa “Sai do Chão”, era um dos anfitriões da segunda temporada fazendo parcerias com artistas dos mais variados estilos. A experiência televisiva ajudou-o a lidar com o público das palestras.

Leo prefere cantar sobre as coisas simples da vida. Nascido em Abre Campo (MG), se mudou com a família para Belo Horizonte em 1994. Estudou canto com o irmão por seis anos, enquanto se apresentavam em bares da cidade. Em 2001, foram para São Paulo e gravaram um disco a convite de Silvinha e Eduardo Araújo.

O sucesso no país inteiro começou em 2006, mas os temas ainda eram bucólicos. Não à toa algumas das músicas da dupla a atingir o topo das paradas foram “Vida Boa” e “Deus e Eu no Sertão”. A partir de 2007, Victor & Leo já estavam entre os grandes artistas brasileiros. Passaram pelas principais gravadoras do país, e se tornaram referência no sertanejo.

Best-seller e musical

Em 2017, Leo Chaves lançou “No Colo dos Anjos”, que tornou-se best-seller em pouco tempo. Sabia, no entanto, que não poderia ser um livro de autoajuda qualquer. Por isso, decidiu criar uma história ficcional de dois artistas em momentos diferentes. Enquanto um jovem se recupera da dependência química, outro, mais velho, atua como seu guia na retomada da carreira. Muitos elementos da própria experiência estão presentes, mas faz questão de deixar claro que não se trata de nenhum caso particular.

Leo pisou em muitos palcos. O que ele tem menos intimidade é com o teatro. Isto deve mudar no ano que vem, quando está prevista a estreia do musical sobre a vida de Sérgio Reis. Leo Chaves será o protagonista. “Esse é um projeto que me escancara o sorriso. Cresci degustando a obra do Serjão”, revela.

História que deixa legado

O que não é simples é a história de Victor & Leo. Eles tiveram 15 anos de sucesso. Em 2017, o irmão mais velho encerrou o ano como o autor com maiores rendimentos no país segundo o Ecad. Em 2018, decidiram dar uma pausa e se dedicarem a projetos individuais.

“Estaremos durante um período em recesso, onde cada um seguirá com projetos individuais, em comum acordo”, explica Leo. “Ambos precisamos pegar um fôlego. É claro que uma história de 26 anos deixa um legado.”



Cadastre-se para
saber mais