Ministério da Cultura, Secretaria de Estado da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer e VIVO apresentam

Artistas

De 12 a 25 de Out
Porto Alegre - RS

Sergio Reis

Em plena atividade, o cantor Sergio Reis é presença confirmada na Festa Nacional da Música 2017.

Batizado Sérgio Bavini, Sergio Reis nasceu em São Paulo em 23 de junho de 1940, no bairro de Santana.

O cantor e compositor sertanejo, que começou sua carreira com sucessos da Jovem Guarda, como a autoral "Coração de Papel", é o artista brasileiro que mais vezes foi indicado ao Grammy Latino.

Em 1972, Reis gravou seu primeiro disco de música sertaneja com a canção "Menino da Gaita". Seguiram-se os sucessos "Menino da Porteira", "Adeus Mariana", "Disco Voador", "Panela Velha", "Filho Adotivo", "Pinga ni Mim" e várias outras canções. O disco "O Melhor de Sérgio Reis", lançado em 1981, vendeu mais de um milhão de cópias.

Como ator, trabalhou em algumas novelas, como “Pantanal” e “A História de Ana Raio e Zé Trovão”, na extinta TV Manchete, e “Paraíso" e "O Rei do Gado”, na Globo. Em "O Rei do Gado", o personagem de Sérgio formava a dupla sertaneja Pirilampo & Saracura com o personagem de Almir Sater, tendo gravado, inclusive, músicas para a trilha sonora.

No ano de 2003, Sérgio Reis gravou seu primeiro DVD, "Sérgio Reis e Filhos - Violas e Violeiros", e, como o próprio título diz, ele teve seus filhos como músicos na apresentação. Em março de 2009, Reis também foi homenageado com a refilmagem do longa “O Menino da Porteira”, protagonizada agora pelo cantor sertanejo Daniel no papel do boiadeiro Diogo. Em agosto do mesmo ano, a gravadora Som Livre lançou uma coletânea de Sérgio Reis comemorando seus 50 anos de carreira, “Cantando o Brasil”, com quatro volumes trazendo os melhores e mais marcantes sucessos da carreira do músico.

Em 2010 Sérgio Reis gravou o CD e DVD “Amizade Sincera”, em parceria com o amigo Renato Teixeira, lançado pela Som Livre. O projeto contou com a participação de seu filho Paulo e dos filhos de Renato, João e Chico, formando uma família só de músicos. Em pouco tempo, o DVD atingiu marca superior a 25 mil cópias vendidas e ganhou disco de ouro, permanecendo entre os dez produtos mais vendidos nas maiores lojas do país por semanas consecutivas.

Em 2013, Serjão gravou novo CD, Questão de Tempo", primeiro disco de estúdio em 10 anos. Uma das músicas do álbum é "Meu Lugar", de autoria da dupla de amigos Tony Damito e Meire Cler, gravada por Sérgio e que versa sobre "Um lugar abençoado/(...) Onde tudo é poesia". O tema faz parte do verdadeiro resgate da música caipira, que narra a vida no campo. Mais que isso, compõe o que Sergio quis trazer com o trabalho, "uma coisa leve, doce, pra cima".

A simplicidade está em todas as frases de Sérgio Reis sobre "Questão de Tempo". Está, claro, nas 11 faixas que montam o trabalho. Mas como é sabido em verso e prosa, simplicidade não é algo tão...simples...de se alcançar. Ao menos com a beleza depositada em canções que ora flertam com o romantismo, ora com temas engraçados e sempre com o cheiro de terra.

O cantor sabe bem disso. Não fez por menos. Em mais de 40 anos de carreira na música caipira, passou muitas noites à beira de fogueiras com parceiros lapidando esse talento.

Além de Tony Damito e Meire Cler, chamou um velho amigo, Moacir Franco, e juntos cantam deste "Questão de Tempo", no momento mais romântico do trabalho. "Ele é um cantor excepcional, sou muito fã dele", conta. Da jovem guarda da música sertaneja, recebeu a composição de Victor Chaves, da dupla Victor e Leo, "Fazenda Paraíso", ode às coisas da terra, que entoa sobre "pasto e boiada". 

O disco tem, claro, a graça e humor que marcaram a carreira do cantor. "Morena Faz de Conta", que abre "Questão de Tempo", tem acordeom, violão de 12 cordas, ritmo festeiro e desafio: "Morena faz suas contas/Se quer ser minha mulher".

A pegada alto-astral do "molhar o bico" vem na igualmente alegre "Boteco da Esquina" e de forma mais escrachada em "Casei Porque Bebi". "Quem não passou por essa situação, de ver a mulher no baile, achar que é a Luiza Brunet, e depois que passa o efeito ver quem é ela de verdade. O cara que só bebe pra não ver a cara da mulher", diverte-se. "Tetinha" trata também com humor do caipira que tem um compadre político e que espera que esse consiga dar um refresco em sua vida.

A temática recorrente, claro, é a vida no campo, bem retratada em "Choro de Saudade", mas também há enaltação à fé, como em "Fã de Jesus", onde pela simplicidade do protagonista Sérgio canta a ligação genuína entre homem e Criador. Há também espaço para dançar ao som do acordeom em "Matuto" e "A Mala", que fecha o disco. Melhor dizer que há espaço pra tudo. E em se tratando de Sergio Reis, espaço de sobra pra música boa no País.

O mais recente CD de Sergio Reis, intitulado “Amizade Sincera II e lançado em 2015, foi criado em parceria com o amigo de longa data, Renato Teixeira, e gravado no Quinta da Cantareira, em Mairiporã. O álbum contou com participações como Toquinho, João Carreiro, Amado Batista e Chico Teixeira, e ganhou o Grammy Latino na categoria de Melhor Álbum de Música Sertaneja.

Cadastre-se para
saber mais