Ministério da Cultura, Secretaria de Estado da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer e VIVO apresentam

Artistas

De 12 a 25 de Out
Porto Alegre - RS

Felipe Araújo

"O que temos para hoje é saudade." O Brasil inteiro conhece essa frase e o que ela simboliza para a música sertaneja. Mas, para quem traz no DNA o histórico de ser irmão de Cristiano Araújo, a intensidade desse sentimento é num grau sem explicação. Para superar a dor da perda, Felipe Araújo se entregou à música. Depois de lançar em 2015, o EP "Com Você", Felipe gravou em Goiânia, em junho passado o DVD “1, DOIS, 3”, com participações pra lá de especiais de Zezé Di Camargo & Luciano, Simone & Simaria, Leonardo, Henrique & Juliano e Jorge & Mateus. O DVD reserva espaço a um momento acústico para o dueto entre Felipe e o pai, João Reis.

Apaixonado por leão, Felipe Araújo ostenta tatuagem do bicho, estampado também em várias peças de roupas suas e nas postagens de suas redes sociais. No DVD, portanto, Felipe usou, com gosto, um violão Takamine exclusivamente fabricado para a ocasião pela Sonotec, com a figura do felino.

E é com garra de fera que Felipe Araújo e o pai mostram que o sonho dos Araújo permanece latente, como forma de provar que a saudade existe, sim, mas se transformou na força de cantar, maior herança deixada aos dois por Cristiano.

Insight - Foi em agosto de 2015 que João Reis, o pai, pediu para Felipe seguir carreira solo. A compreensão do parceiro Zé André, com quem formava dupla desde janeiro, foi fundamental para que ele abandonasse o projeto com o amigo e abraçasse o sonho do pai. “Meu pai sempre quis que eu cantasse sozinho, desde que entrei na música. Eu era muito tímido e só mostrava a voz e tocava para o meu pai e meu irmão”, conta Felipe.

No currículo, ele traz uma boa formação musical: estudou música no curso técnico da UFG (Universidade Federal de Goiânia), onde aprendeu a tocar bateria e integrou a banda “Pequi Ninos”, sob a coordenação do projeto realizado por Jarbas Kavendish. Sim, em alusão ao fruto do Cerrado. O grupo de rock durou pouco, mas serviu muito na técnica e teoria musical. “Minha essência é sertaneja, cresci ouvindo Zezé Di Camargo & Luciano e Leandro & Leonardo, mas tenho uma influência do rock que me ajuda muito na levada e bits das composições mais animadas. Curto muito Coldplay e Guns N' Roses. E, graças ao meu pai, assistia tudo do Michael Jackson. Maior mestre de presença de palco e showmen do mundo. Meu pai fazia eu e o Cristiano assistirmos tudo dele”, completa.

Cadastre-se para
saber mais